Gengivite

A instalação da placa bacteriana compromete toda a estrutura bucal da pessoa. Ela se acumula e causa inflamação da gengiva (conhecida como gengivite) e em casos mais graves, perda óssea da estrutura que suporta o dente. A má higienização bucal – entenda-se como a falta de escovação ou quando ela é realizada de forma errônea, a falta do uso de fio dental ou seu uso incorreto – é uma das principais causas da gengivite, mas não é a única. A oclusão (mordedura errada), presença de tártaro, cáries, baixa produção de saliva, cigarro, alguns medicamentos e até a exposição a metais pesados como o chumbo e o bismuto também podem desencadear a gengivite. Algumas doenças como o herpes labial, diabetes, epilepsia, AIDS, leucemia e hipovitaminose também são fatores que desencadeiam. Estudos mais recentes apontaram como fator genético a ocorrência da doença. Se houver histórico familiar, é preciso atenção redobrada aos sintomas antes que a gengivite se instale.

Quais os sintomas da Gengivite?

Nos estágios iniciais, a gengivite causa inchaço, vermelhidão ao redor do contorno dos dentes, secreção de líquidos orgânicos e sangramento espontâneo. Em gengivite instalada há mais tempo os sintomas são o mau hálito persistente, alteração do paladar, a aparência do dente afetado parece mais longo por causa da reabsorção óssea e da retração da gengiva. Em nenhum desses estágios ocorre dor, por isso é preciso estar atento.

A escovação e o uso do fio dental de forma correta após as refeições e antes de dormir garantem uma boa prevenção. Mas é sempre recomendável consultar o dentista regulamente (pelo menos de 6 em 6 meses) para uma avaliação.

Gengivite: entenda o problema

A ocorrência de problemas bucais em algum momento da vida é algo extremamente comum, sendo quase impossível escapar deles se não houver uma visita periódica ao dentista.

Dentre os problemas mais frequentes, podemos citar a gengivite, que afeta uma a cada três pessoas e pode ocorrer em qualquer idade. Porém, a gengivite pode ser evitada se houver a higienização correta dos dentes e consultas periódicas ao consultório odontológico para averiguar a situação da saúde bucal.

O que é gengivite?

A gengivite é a inflamação da gengiva em seu estágio inicial, causada pelo acúmulo de placa bacteriana que elimina toxinas no tecido gengival, irritando e inflamando a área. O local fica extremamente vermelho e sensível, sendo comum sentir dor durante a escovação.

Como saber se tenho gengivite?

Para saber se você sofre de gengivite, basta analisar alguns sintomas e sinais. A cor normal de uma gengiva saudável é rosa claro e não avermelhada como muitas pessoas pensam. Se o tecido gengival estiver muito vermelho e ocorrer sangramento durante a escovação, há grandes possibilidades de ser gengivite.

Como tratar a Gengivite?

A gengivite deve ser tratada no consultório odontológico onde será feita a remoção da placa bacteriana e a raspagem dos tártaros, com o objetivo de reduzir a inflamação. Em casa, o paciente deverá seguir alguns cuidados especiais de higienização de modo a prevenir a recorrência do problema.

Como prevenir a gengivite?

Para prevenir a gengivite é necessário efetuar a higienização correta dos dentes, com fio dental, escovação e aplicação de enxaguante especial com agentes bactericidas. O dentista poderá indicar um creme dental específico em casos onde há predisposição à inflamação da gengiva. Lembre-se de ficar atento à escovação se for usuário de aparelho ortodôntico, pois nesses casos a higienização deve ser criteriosa e reforçada.

A gengivite é uma das doenças bucais mais comuns e sua principal causa é o acúmulo de placa bacteriana (biofilme) e tártaro. O biofilme está naturalmente presente na boca e é formado por bactérias, muco e resíduos de alimentos que precisam ser removidos diariamente, através da escovação, uso de fio dental e enxaguante bucal, para que não se acumule nos dentes. É essencial realizar a higienização bucal diariamente, após cada refeição, para evitar a proliferação de bactérias e preservar os dentes e demais estruturas bucais. A presença de bactérias prejudiciais ao organismo é o principal motivo para a existência de diversos problemas da saúde bucal.

O excesso dessa placa bacteriana libera toxinas, caso a higienização bucal seja deficiente, acaba irritando o tecido gengival e desencadeando processos inflamatórios como a gengivite.

O que causa a gengivite?

A gengivite é considerada o primeiro estágio das doenças periodontais (que acometem os tecidos que dão suporte e sustentação aos dentes, como os ligamentos, o osso alveolar e a própria gengiva).

Porém, outros motivos podem ser responsáveis pela gengivite, como a oclusão ou mordedura errada, presença de tártaro, cáries, baixa produção de saliva e tabagismo. A exposição a metais pesados como o chumbo e o bismuto também podem ser responsáveis por desencadear a gengivite. Doenças como o herpes labial, diabetes, epilepsia, aids, leucemia e hipovitaminose são outros fatores que contribuem para o desenvolvimento da gengivite e é preciso redobrar a atenção aos sintomas caso exista histórico familiar da doença.

Uma escovação dental incorreta, próteses dentárias e aparelhos ortodônticos mal encaixados ou mal higienizados, podem desencadear um quadro inflamatório na gengiva e existe a possibilidade também de que alterações hormonais, como as que ocorrem durante o ciclo menstrual, o período de gravidez e a própria puberdade, sejam responsáveis pelo surgimento da gengivite, bem como a utilização de alguns medicamentos como o anticoncepcional e fenitoína.

Como percebo a existência da gengivite?

O primeiro estágio de uma inflamação na gengiva é denominado gengivite e suas principais características são sensibilidade ou dor na gengiva e presença de sangramento durante a escovação dental ou durante o uso de fio dental. Pode ocorrer a alteração da coloração da gengiva, tornando-se mais escura ou mais avermelhada e sensível que o normal.

Porém, em alguns casos, o paciente pode não sentir dor ou desconforto e, mesmo assim, apresentar um quadro de gengivite, alguns outros sintomas são:

  • Retração gengival: a gengiva se afasta dos dentes, dando a impressão de que a dentição está mais alongada;
  • Surgimento de uma bolsa entre a gengiva e os dentes;
  • Mudanças no encaixe da mordida;
  • Surgimento de secreção como pus, ao redor dos dentes;
  • Presença de mau hálito (halitose) e gosto ruim constante na boca.

Quando a doença é identificada nesse primeiro estágio o tratamento é mais simples, e o quadro pode ser revertido sem maiores danos para a estrutura dos dentes, pois o tecido conjuntivo, a raiz dos dentes e o osso alveolar ainda não foram atingidos.

Como é feito o diagnóstico e tratamento da gengivite?

Mesmo que um ou mais sintomas sejam identificados é essencial procurar um odontologista para que ele confirme a presença da gengivite, verificando seu estágio para que prescreva o tratamento mais adequado, que pode ser medicamentoso ou não.

Durante a consulta, além de examinar a boca do paciente, os profissionais da Vital Odonto realizam uma análise para identificar algumas de suas características específicas. É importante responder as questões levantadas pelo especialista para que a causa da gengivite seja identificada e combatida de forma eficaz, evitando sua reincidência.

O dentista pode realizar uma profilaxia no próprio consultório, como uma raspagem, porém, é essencial que o paciente colabore com o odontologista e realize a higienização bucal diariamente para garantir que a inflamação seja eliminada.